ColaboradorModelos de Trabalho

Pesquisa revela as principais motivações em cada modelo de trabalho

Levantamento feito pela Intera com mais de 3 mil pessoas mostra as principais preferências dos profissionais de tecnologia na hora de se decidir por uma oferta de emprego. Entre as assinaladas, a possibilidade de passar mais tempo com os filhos, impacto direto na produtividade e qualidade de vida.

Idealizada para resolver as dores das empresas que precisam contratar profissionais para a área de tecnologia, e em grande quantidade, a Interahrtech de recrutamento digital, capitaneou pesquisa com mais de 3 mil profissionais, em janeiro deste ano, com o objetivo de mapear as principais percepções e preferências quanto ao novo modelo e configuração de trabalho. Principal parceira de empresas inovadoras em todo o Brasil, a ideia é também munir as empresas com dados e mostrar o impacto disso para a operação.

O levantamento contou com a participação de profissionais de cargos seniores e especialistas em 41,5%, plenos 27,3% e juniores 31,6%. A maioria desses profissionais, 71%, preferem o modelo de trabalho remoto, 28% sinalizaram o modelo híbrido e apenas 1% presencial. Em geral, as motivações que levam a essas escolhas estão diretamente relacionadas à qualidade de vida e performance de trabalho.

Para 66,8% dos profissionais o modelo de trabalho impacta diretamente na produtividade; 64% consideram importante a flexibilidade de horários. Já para 63% dos respondentes a melhora na qualidade de vida, bem-estar físico e emocional, 40,2% mencionam os ganhos na organização das tarefas; 39,6% gostam da adaptabilidade; 22,3% valorizam o tempo com os filhos e 19,7% mencionam a importância do relacionamento com os colegas.

“O contexto da pandemia veio como agente catalisador de transformação e obrigou as empresas a recorrerem ao trabalho remoto como alternativa para a continuidade das suas atividades. Na área de tecnologia, esse movimento foi ainda mais intenso, sendo que grande parte se mostrou satisfeita com o resultado e permaneceu com tal modalidade. A quebra de lacunas a respeito da união da produtividade com a possibilidade de trabalhar em casa, evidencia uma tendência do mercado atual”, diz Paula Morais, cofundadora da Intera.

Hoje, cerca de 42,4% dos profissionais de tecnologia que participaram da pesquisa trabalham remotamente, enquanto 21,6% de forma híbrida e 18,6% de forma presencial. Apenas 6% dos entrevistados afirmaram trabalhar remotamente apenas durante a pandemia.

A preferência dos talentos também é refletida no levantamento, e por isso, a importância das companhias considerarem este fator na hora de ofertar vagas. Aproximadamente 84% dos profissionais afirmaram que enxergam a modalidade de trabalho remoto como critério na hora da inscrição em processos seletivos. Para 53,9% dizem aceitar uma proposta de emprego que fuja do padrão de preferência e 46,4% afirmaram declinar e/ou avaliar dependendo de outros critérios. Importante ressaltar que, quanto maior a senioridade, menor o aceite a vagas com modalidade diferente da preferência.

Hunt Hacking, tração e experiência – novo tripé do recrutamento

Parceira estratégica na aquisição e abastecimento de candidatos em todo País, a Intera atua por meio da metodologia de Hunt Hacking – combinação de atração de talentos (hunting) com tecnologia, inteligência de dados, automação, estratégias online e dados para encontrar, atrair e pré-selecionar o talento certo para cada vaga e empresa. O nome da solução oferecida pela Intera faz alusão ao “Head Hunting Hackeado”, método que diminui consideravelmente o tempo gasto com recrutamento, além de localizar talentos mais escassos das áreas de tecnologia, dados e produtos. 

Os principais diferenciais são alta precisão, velocidade e assertividade, além do próprio modelo de negócio que foi estruturado. Em média, a Intera leva até 20 dias corridos para a entrega de todos os candidatos, metade do tempo entregue pelo mercado. A startup não trabalha com success fee (que é o pagamento com base no salário do profissional após a contratação), mas com um plano de assinatura do serviço, com um custo-benefício cerca de 40% melhor quando comparado ao modelo clássico de headhunting.

“Nós “hackeamos” o recrutamento tradicional e encontramos as pessoas certas para estarem nas empresas certas. Isso só é possível quando se avalia um conjunto de conceitos técnicos, comportamentais, culturais, adequação às especificações da vaga e interesses sinérgicos do candidato em querer entrar na empresa”, finaliza Paula.

Para saber mais sobre a startup, acesse: https://byintera.com/ 

Etiquetas
Mostrar mais
Consultoria especializada em RFP e Contração de Contact Center e Soluções para Atendimento. | contato@customercentric.com.br Consultoria especializada em RFP e Contração de Contact Center e Soluções para Atendimento. | contato@customercentric.com.br

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar